Domingo, 18 de Novembro de 2007

The Flight From the Enchanter




Neste livro de Iris Murdoch, somos convidados a entrar num grupo de personalidades incrivelmente distintas entre si, com visões e objectivos muito particulares mas que surgem com um único ponto em comum: a figura misteriosa de Mischa Fox que, de uma forma ou outra, os aprisiona numa relação de quase servidão para com ele, por mais subtil que esta possa parecer.

Todas as personagens, a uma dada altura das suas vidas, por motivos vários, se deixaram prender ao poder de Mischa: as mulheres atiram os seus corações e vontades pela janela fora enquanto que os homens anseiam por um respeito que nunca receberão. E todos sabem da sua condição. Sabem também, que a fuga é a sua única forma de sobrevivência. Mas num mundo sem o feitiço de Mischa a pairar, valerá a pena viver? É essa a questão que a todos é colocada e que, cada um, à sua maneira responde. Sem respostas acertadas - o que for, é essa a verdade. E a ilusão resume-se à realidade.

Gostei, visto agradar-me bastante a escrita de Iris Murdoch. Claro que isso não quer dizer que não possa desgostar. E, comparando com a obra The Nice And The Good que li há uns meses atrás, gostei significativamente menos. Mas tem momentos que continuam a fazer a atenção prender-se, como que captados pelo mesmo feitiço que parece inviabilizar as personagens da história. E momentos a pedir mais reflexão sobre quais serão os feitiços que dominam a nossa própria vida e cujas ilusões tendemos a chamar como nossas, preferindo mantê-las do que soltarmo-nos ao soltá-las a um vento desconhecido.

Termino com mais dois excertos de que gostei especialmente:

« ' You will never know the truth, and you will read the signs in accordance with your deepest wishes. That is what we humans always have to do. Reality is a cypher with many solutions, all of them right ones.' »

« ' Well, what can one do?', said Peter. ' One reads the signs as best one can, and one may be totally misled. But it's never certain that the evidence will turn up that makes everything plain. It was worth trying.' »


publicado por xary às 19:53
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De eli a 18 de Novembro de 2007 às 22:12
gosto especialmente do titulo e quanto ao livro parece ser qualquer coisa que vale a pena ler ;)
*


De maryjo a 24 de Novembro de 2007 às 00:50
parece uma historia em que a confusao de sentimentos e de ilusoes nos prende. gosto disso.

"It was worth trying". é tipo das minhas frases favoritas. Quando a digo é porque fiz o possivel para que qualquer coisa resultasse.=)

************


Comentar post

.mais sobre nós.

.pesquisar

 

.a firefly lê.

.auto-biografia de bernardo soares, livro do desassossego

.a joana lê.

.nineteen eighty-four, george orwell

.a marina lê.

.never let me go, kazuo ishiguro

.a maryjo lê.

.rio das flores, miguel sousa tavares

.a eli lê.

.cultura, dietrich schwanitz

.a sancie lê.

.little men, louisa may alcott

.a xary lê.

.the portable dorothy parker, dorothy parker

.links.

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


.posts recentes.

. rio libertino

. Distance

. um outro amor

. The Sea

. Em busca do carneiro selv...

. Never Let Me Go

. os retornados: um amor nu...

. ...

. duas irmãs, um rei

. The Favorite Game

.tags

. todas as tags

.arquivos.

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tanta gente.

SAPO Blogs

.subscrever feeds