Sábado, 10 de Novembro de 2007

Uma espécie de Milagre

[in Prólogo, página 9]

Vivi sempre em busca de respostas ao enigma destas crianças, das chaves mágicas que, finalmente, as abrissem ao meu entendimento. Contudo, no íntimo, sei há muito que não existem chaves e que, para algumas crianças, nem mesmo o amor alguma vez bastará. Só que a fé na alma humana escapa à razão e desafia as frágeis certezas do nosso conhecimento.

[...]

Este livro conta a história de uma só dessas crianças. Não foi escrito para despertar piedade. Nem para elogiar o trabalho de uma professora. Nem tão pouco deprimir aqueles que encontraram a paz na ignorância. [...] É um cântico à alma humana, porque esta menina é como todas as minhas outras crianças. Como todos nós. É uma sobrevivente.


publicado por Firefly às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 17 de Abril de 2007

The End - To The Lighthouse

 

 

 

E tempo de levantar o veu e mostrar o rosto das paginas feitas das palavras que escolhi para ilustrar a leitura deste livro.

Nao foi tao facil de ler como eu julgava.

Nao e daqueles livros que conduz.

E daqueles livros que obriga que seja o leitor a guiar-se a si mesmo.

A guiar-se pelos mil caminhos que parecem ser sugeridos ou insinuados.

Um livro que nos foge das maos quando mais o queremos agarrar.

Um livro que ensina licoes grandes atraves de palavras banais e pequeninas.

Um livro teimoso e ate rebelde pela forma como inverte aquilo que temos como certo.

Uma historia feita de momentos possiveis no mundo de qualquer um.

Uma historia feita de dias.

De instantes dentro dos dias.

De pensamentos que povoam esses instantes.

Uma historia que mostra.

Que mostra mais do que se quer ver, por vezes.

Que enaltece o que e trivial.

Que banaliza o que e grande e pesado.

Uma historia com um tempo que ensina licoes as personagens que vivem nele.

Que querem mandar nele apesar de nao poderem.

Que descobrem [quase] tarde demais a luz que realmente importa.

E, para mais descobrir, basta ler!

To the Lighthouse

by Mrs Woolf


publicado por Firefly às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

To the lighthouse (III)

10 years later, it is time to go to the place that might have been visited 10 years ago. Time passes. And, perhaps, the expedition came too late.

quotations:

he had made them come. he had forced them to come (...) since he had forced them to come against their wills.

Mrs Ramsay saying 'Life stand still here';

Mrs Ramsay making of the moment something permanent;

(...)

in the midst of chaos there was shape.

There was this expedition - they were going to the lighthouse, Mr Ramsay, Cam and James.

Yes, it must have been precisely here that she stood ten years ago. There was the wall; the hedge; the tree.

He had all the appearence of a leader making ready for an expedition (...) but with a pallor in their eyes which made her feel that they suffered something beyond their years in silence.

all was silence.

nobody seemed to have spoken for an age. Cam was tired of looking at the sea. Little bits of black cork had floated past; the fish were dead in the bottom of the boat. Still her father read, and James looked at him and she looked at him, and they vowed that they would fight tyranny to the death, and he went on reading quite unconscious of what they thought.

all was silence.


publicado por Firefly às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

Time Passes (II)

while reading, one feels that several things are taking place. but the truth is that everything which is silently said (and thought) is referring to a single moment - Mrs Ramsay and her beloved son James by her side. it is her motherhood and her care that is contemplated by those who are living in her house.and the singularity of that moment would end. suddenly. silently.

quotations:

[Mr. Ramsay stumbling along a passage stretched his arms out one dark morning, but, Mrs Ramsay, having died rather suddenly the night before, he stretched his arms out. They remained empty]

Mrs Ramsay's things. Poor lady! She would never want them again. She was dead, they said; years ago, in London.

The house was left; the house was deserted. It was left like a shell on a sandhill to fill with dry salt grains now that life had left it. (...) keys were turned all over the house; the front door was banged; it was finished.

much should have been said but was kept in silence. Mrs Ramsay was dead.

 

well, we must wait for the future to show.


publicado por Firefly às 14:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.mais sobre nós.

.pesquisar

 

.a firefly lê.

.auto-biografia de bernardo soares, livro do desassossego

.a joana lê.

.nineteen eighty-four, george orwell

.a marina lê.

.never let me go, kazuo ishiguro

.a maryjo lê.

.rio das flores, miguel sousa tavares

.a eli lê.

.cultura, dietrich schwanitz

.a sancie lê.

.little men, louisa may alcott

.a xary lê.

.the portable dorothy parker, dorothy parker

.links.

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


.posts recentes.

. Uma espécie de Milagre

. The End - To The Lighthou...

. To the lighthouse (III)

. Time Passes (II)

.tags

. todas as tags

.arquivos.

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tanta gente.

SAPO Blogs

.subscrever feeds