Domingo, 12 de Abril de 2009

The Sea

 

Às vezes o mar demora a entrar em nós. Há que saber chamá-lo, cantar-lhe uma canção, baixinho, mas num volume suficiente para que lhe afaste a timidez e as ondas cheguem aos nossos pés. Depois ultrapassa-nos, é o nosso corpo que corre ao seu encontro para nele mergulhar.

Confesso que a entrada no mar de Banville não foi de todo fácil ou bem-vinda. Havia expectativas e uma ideia de história já criada na minha cabeça. Queria ser afogada nas suas palavras, fosse de que maneira fosse. Queria ser impressionada. Mas o mar não se deixa impressionar assim, por mera vontade.

 

Nesta obra, a costa retratada por um  narrador de meia-idade, Max Molden, é um local que apela a recordações passadas onde a sua infância foi, durante uns quantos verões, palco de inúmeras descobertas mas também de alguns segredos, portas entreabertas para uma terrível tragédia que irá modificar a vida de todos aqueles por ela tocados, incluindo a de Max.

Após a morte da sua esposa, vencida ao cancro, Max regressa à vila costeira para fazer o seu luto e, com 'sorte' - considera ele -, também a sua própria despedida. É perto desse mar que Max nos conta as memórias que ainda retém do lugar e das pessoas que marcaram a sua vida nessa fase e, possivelmente, em todas as seguintes. É uma viagem feita ao ritmo de marés, por vezes traiçoeiras mas noutras, misericordiosas. Max reflecte sobre o impacto que uma família e os seus filhos gémeos tiveram em si e como, querendo ou não, podemos ser mais influenciados por quem já partiu do que por quem ainda permanece. O narrador acaba, assim, por lidar com as suas próprias noções de presença, o que será que resta quando tudo parte? E em muitos momentos batalha por manter perto o que já há muito não está ao seu alcance. Ancorado no fundo, talvez. Entre lembranças desses verões distantes e dos tempos de luta contra o cancro da esposa, Max tece uma forte ligação entre ambas para chegar a uma compreensão do homem que encontra em si, recolhendo do passado uma absolvição para o seu presente.

 

The Sea pode, a determinadas alturas, tornar-se uma leitura menos fácil mas não deixa de cativar e uma coisa é certa: quando nela mergulhados, a última coisa que se quer é de lá sair.

 

« Memory dislikes motion, preferring to hold things still (…) »

 


publicado por xary às 21:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre nós.

.pesquisar

 

.a firefly lê.

.auto-biografia de bernardo soares, livro do desassossego

.a joana lê.

.nineteen eighty-four, george orwell

.a marina lê.

.never let me go, kazuo ishiguro

.a maryjo lê.

.rio das flores, miguel sousa tavares

.a eli lê.

.cultura, dietrich schwanitz

.a sancie lê.

.little men, louisa may alcott

.a xary lê.

.the portable dorothy parker, dorothy parker

.links.

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


.posts recentes.

. The Sea

.tags

. todas as tags

.arquivos.

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tanta gente.

SAPO Blogs

.subscrever feeds