Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008

A Farewell Waltz



Klima, um trompetista famoso, recebe uma notícia inquietante: a jovem enfermeira Ruzena com quem teve um caso de uma noite está grávida. Dele, diz ela. E ele, tão assustado na sua incredulidade, acaba mesmo por acreditar. Com a visão dessa realidade, surge todo um problema que o trompetista quer travar a todo o custo. Cabe então a Klima ir ter a uma vila remota, onde a enfermeira trabalha num spa para tratamentos de fertilidade, para a convencer da decisão que deve ser tomada. Até porque, convenhamos admitir que a mulher do trompetista iria ficar tudo menos feliz com esta novidade. Logo, é urgente agir. Resolver as responsabilidades. Manter a vida como está, sem (mais) complicações.
Assim, a partir do momento em que Klima é informado da condição da enfermeira, somos conduzidos a presenciar os cinco dias posteriores, conhecendo outras personagens, outros problemas e segredos, outras formas de tomar as rédeas da vida e mantê-la no seu rumo.
Além de Klima e Ruzena, também a mulher de Klima é empurrada através de ciúmes e suspeitas, para o local da acção, onde encontra uma nova forma de respirar que não a cegueira onde estava mergulhada ao longo dos anos do seu casamento. Conhece-se também um ginecologista demasiadamente preocupado com os seus casos de fertilidade e um prisioneiro político prestes a emigrar que, ao organizar a sua festa de despedida, se depara com inúmeras questões sobre as raízes que uma pessoa faz nascer entre si e os outros, a noção de família, pátria e muitas outras convicções que julgava, de facto, firmes. Ficam outras personagens para descobrir mas são cinco dias que passam quase a correr, num amontoado de situações onde cada um fala o que pensa e nunca o que realmente sente.

Não foi, na minha opinião, das melhores obras que já li de Kundera. Apesar do convite feito ao interior dos personagens, estas pareceram-me sempre estar à tona dos acontecimentos a que pertenciam e, embora oferecessem alguma profundidade nunca parece surgir qualquer entrega. Talvez seja essa a ideia. Mas a verdade é que despedir-me deste livro foi uma dança que não me custou nem um passo errado.

publicado por xary às 05:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre nós.

.pesquisar

 

.a firefly lê.

.auto-biografia de bernardo soares, livro do desassossego

.a joana lê.

.nineteen eighty-four, george orwell

.a marina lê.

.never let me go, kazuo ishiguro

.a maryjo lê.

.rio das flores, miguel sousa tavares

.a eli lê.

.cultura, dietrich schwanitz

.a sancie lê.

.little men, louisa may alcott

.a xary lê.

.the portable dorothy parker, dorothy parker

.links.

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
29
30

31


.posts recentes.

. A Farewell Waltz

.tags

. todas as tags

.arquivos.

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tanta gente.

blogs SAPO

.subscrever feeds